Luiz Llantada

Crônica

31 Agosto 2018 08:00:00

Bem vindo setembro

  Tu não imaginas com que ansiedade eu espero este mês. Assim como a sexta-feira representa para mim para mim um dia de alegria e de esperança, o mês de setembro me dá a mesma sensação. Quando ele chega, como agora, o meu coração se enche de otimismo. Não há uma razão concreta para isso. Mesmo que chova e ainda faça frio, é uma coisa que está no ar. É um sentimento espontâneo. Pessoas mais sensatas hão de dizer que é frescura minha. Que os meses são iguais, que acontecimentos bons ou ruins ocorrem a qualquer tempo. E o diabo-a-quatro. Mas eu não ligo. Eu sou assim.

  Mas não sou só eu quem tem essa sensação. Se prestares bem atenção, constatarás que os pássaros também a têm. Observa como eles estão assanhados, alvoroçados, cantando sem parar, voando de um lado para o outro. Sente a natureza, como ela parece se alegrar. As flores vestindo suas cores exuberantes exibindo-se ao Sol. Olha com carinho as azaleias. Deixa de lado por um momento esse compromisso burocrático que tens. Fecha os olhos. Respira fundo. Ouve o ruído do vento nas folhagens, o alarido das crianças. Fica assim por alguns segundos, quem sabe minutos. Agora abre os olhos e vê descortinar-se a tua frente o maior espetáculo que existe: - A vida.

  Tem pessoas que não veem ou não sentem essas coisas. Talvez porque estejam com seus corações cheios de ódios, ressentimentos ou preocupações. Como se isso valesse a pena. De que adianta odiar? Querer se vingar de alguém? Chorar por uma pessoa que não lhe quis? Que não lhe valorizou? Ou correr desesperadamente atrás de dinheiro? Assim como este inverno foi rigoroso, mas já se foi, vamos considerar que aquelas coisas ruins que vivenciamos também se foram.

Deixemos entrar um setembro ensolarado nas nossas vidas e nos nossos corações. Não nos esqueçamos de que as flores e os pássaros que nos encantam têm uma vida efêmera e fugaz. E, no entanto, são alegres e felizes. Nós também temos uma vida curta e fujona, mas não por isso vamos deixar de nos alegrar. Aqueles dias frios, chuvosos e nublados já se foram. Agora só depende de nós.

  O clima ameno e a luminosidade intensa que se aproximam evidentemente nos ajudam, mas também é necessário que nos ajudemos tomando algumas precauções. Evitemos o convívio com pessoas sérias demais, brabas, pessimistas, fanáticas, politicamente corretas, rancorosas, vingativas, muito positivas ou materialistas demais. Fujamos de gente transtornada como se fugíssemos do Diabo. Convivemos mais com crianças. Vamos dar mais atenção e respeitar os idosos. Brincar com o nosso cachorro. Não tenhamos receio de parecermos ridículo por valorizarmos as coisas simples. Vamos amar mais. Ler poesias. Jamais nos esqueçamos de ter sempre à mão: - Boas músicas, bons livros e uma taça de vinho.


logo.jpg

Endereço:
Rua Manoel Teixeira da Rosa, 495
Centro - Sombrio
Fone (48) 3533 0178